Histórico Cultural

O município foi fundado em 23 de maio de 1535 pelo português Vasco Fernandes Coutinho, donatário da Capitania do Espírito Santo, e foi sede desta até 1549, quando a capital foi transferida para Vitória. Figura-se então como a cidade mais antiga do Estado, possuindo várias construções históricas, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, considerada um marco da colonização, foi restaurada recentemente. Tombada desde 1950 pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional - IPHAN, o Forte de São Francisco Xavier da Barra ou de Piratininga, o Farol Santa Luzia e o Convento da Penha, sendo esse último um dos principais pontos turísticos do Espírito Santo, construído entre os séculos XVI e XVII e tombado como patrimônio histórico cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1943. Recentemente ganhou iluminação monumental que o destaca ainda mais. 


CONVENTO DA PENHA


Hoje o Santuário da Penha abrange uma área de 632.226 m2, num penhasco – de 154 metros de altitude e localização privilegiada a 500 metros do mar – que ostenta no seu entorno imponente fragmento da mata atlântica, está edificado o Santuário de Nossa Senhora da Penha, fundado por Frei Pedro Palácios, que aqui chegou em 1558, trazendo consigo o Painel de Nossa Senhora das Alegrias. No interior do Convento, o espaço mais expressivo é o da Igreja com sua preciosa Capela-Mor. O interior da igreja é revestido, parcialmente com madeira em cedro, entalhada com motivos fitomorfos, executada pelo escultor português José Fernandes Pereira, nos anos de 1874 a 1879, inclusive o assoalho com trabalho de marchetaria que no ano de 1980 foi reformado. No Altar Mor da Igreja, remodelado em 1910, há mais de 200 peças de 19 tipos diferentes de mármore que adornam o retábulo e colunas. Possui cuidadosa talha de madeira dourada do escultor italiano Carlo Crepaz, adotando a caligrafia de ornamental do ecletismo pontuada por capités, coríntios, festões, guirlandas com elementos vegetalistas, medalhões, anjos e frontão, datando do século XIX. No centro do retábulo, o nicho de Nossa Senhora, que abriga a Imagem da Virgem da Penha, de origem portuguesa, de 1569. A imagem é ladeada por anjos e querubins e honrada com as imagens dos maiores santos franciscanos: São Francisco de Assis e Santo Antônio de Lisboa e de Pádua. Enobrecem as paredes da capela as primorosas obras paisagísticas do Convento da Penha, realizadas por Vitor Meireles, encomendadas por Frei João Costa, entregues em 1877, e as obras sacras Benedito Calixto, que assinou as mesmas nos anos de 1926 a 1927. Nesses séculos de história, de fé e esperança, de devoção e coragem e é sem dúvida considerado o maior atrativo turístico e religioso do Estado do Espírito Santo.


No mês de abril acontece a Festa da Penha em homenagem a Nossa Senhora da Penha, padroeira do estado do Espírito Santo. A data é móvel e é celebrada oito dias após o Domingo de Páscoa. Na ocasião, vários eventos religiosos e culturais são realizados que atrai milhares de fiéis e público em geral.


O Convento da Penha é primeiro trecho em Vila Velha do percurso dos Passos de Anchieta, roteiro histórico-religioso que resgata o caminho feito pelo Padre José de Anchieta no final do século XVI, cuja caminhada oficial é realizada todos os anos no feriado de Corpus Christi.


Endereço: Rua Vasco Coutinho S/N - Prainha CEP. 29100-231

As missas estão sendo realizadas no Campinho por medidas de segurança seguindo os protocolos sanitários.


A capela está aberta apenas para orações individuais e bênçãos.


Horários de missas e confissões:

Missas

De segunda a sábado, 7h às 15h (com transmissão pelas redes sociais);

Abertura dos portões às 06h e liberação dos primeiros 40 carros para assistirem a missa das 7h.

Aos domingos, 6h, 9h e às 16h (com transmissão pelas redes sociais)

Aos domingos os portões são abertos às 5h com acesso liberado aos primeiros 40 automóveis que chegarem para a missa das 6h.

Confissões

Das 08 às 11h, sob agendamento.

Telefone: (27) 3329-0420

Site: www.conventodapenha.org.br

E-mail: convento.aacp@gmail.com



IGREJA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO


A Igreja do Rosário está localizada no Sítio Histórico da Prainha e é considerada um marco da colonização do Espírito Santo, com a chegada do donatário português Vasco Fernandes Coutinho em 1535.


É uma das igrejas mais antigas do Brasil e uma das únicas em funcionamento. Começou a ser construída no ano da colonização e finalizada com a chegada dos jesuítas em 1551.


A Igreja de Nossa Senhora do Rosário é o único templo da América que conserva a história do padroado (a doutrina da Igreja Católica do Novo Mundo), tendo preservado o documento de doação de 1751 das santas relíquias de São Colombo e São Liberato como suas ditas relíquias na pedra D'ara.


Em 1950, foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), e sedia até os dias de hoje missas, casamentos, batizados entre outros eventos religiosos e culturais.


O templo passou por inúmeras reformas. Em 1908 foram instalados os atuais altares, e em 1912 a estrutura foi reforçada devido à instalação da linha do bonde. Em 1980 foi removida toda a estrutura de madeira do coro que foi substituída por uma nova em concreto armado. No ano de 2015 foi iniciada uma reforma que durou um ano e foram realizados reparos na estrutura, tratamento do reboco, adaptações de acessibilidade, recuperação de adornos e dos elementos decorativos. O fator mais impactante dessa última reforma foi o resgate histórico das pinturas artísticas, o retorno do coro em estrutura de madeira e a reforma completa no telhado da igreja.


Atualmente ela pertence à Paróquia Nossa Senhora do Rosário, com sede no Santuário Divino Espírito Santo, no Centro da cidade.


Nossa Senhora do Rosário foi declarada padroeira do município de Vila Velha no dia 24 de setembro de 2015, conforme a Lei 5.652.


Desde então, todo dia 07 de outubro é comemorado o dia da padroeira da cidade Canela-Verde e faz parte do calendário municipal. Nossa Senhora do Rosário passou a ser, oficialmente, a Santa que guarda, abençoa e ama a cidade.


Endereço: Rua Praça da Bandeira - S/N Prainha - Centro, Vila Velha, Espírito  Santo

Dias e horários das missas - todas as terças-feiras e primeira sexta-feira do mês às 19h30; e domingos às 8 horas.

Dias e horários de visitação: segundas à sextas-feiras, 9 às 16h30 (entrada do último grupo de visitantes).

Telefones: (27) 3149-7353 e 3149-7335

E-mail: turismo@vilavelha.es.gov.br


FORTE SÃO FRANCISCO XAVIER DA BARRA

(Visitas suspensas devido as restrições da pandemia)


O 38° Batalhão de Infantaria abriga em suas instalações o Forte São Francisco Xavier da Barra. Construído no ano de 1700, o Forte São Francisco Xavier da Barra é um dos mais importantes monumentos históricos do Estado do Espírito Santo. Sua construção se deu por ordem de Don Rodrigo da Costa, então Governador Geral do Estado do Brasil. Com o formato circular e dotado com 15 peças de artilharia, tinha a finalidade de proteger a baia de Vitoria.


Em 1862 o Forte foi passado para a administração do Ministério da Marinha e abrigou a primeira Escola de Aprendizes Marinheiros do Espírito Santo. Em 1919, passou aos cuidados do Ministério da Guerra vindo então a abrigar o recém chegado 50° Batalhão de Caçadores que posteriormente foi transformado em 3° Batalhão de Caçadores e em 1972 passou a ser denominado 38º Batalhão de Infantaria.


O Espaço Cultural Forte São Francisco Xavier da Barra  conta com: um Salão de Honra onde estão expostas as bandeiras históricas do Brasil e retratos dos patronos do Exército Brasileiro, a Sala Vasco Fernandes Coutinho que retrata a história do Espírito Santo, a Sala Duque de Caxias que expõe acervo da 2° Guerra Mundial, uma cantina, um espaço ao ar livre em sua área externa, com uma exuberante vista da baia de Vitória, onde estão localizados os canhões, atualmente desativados, que eram utilizados para defesa do território. Além disso, o 38° Batalhão de Infantaria  abriga a Praça General Tibúrcio na qual estão expostos: um Carro de Combate Blindado M41 C, um busto do patrono do 38° BI, General Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza, além de diversos armamentos desativados pelo Exército. No interior do Batalhão, um busto do patrono da Infantaria, Brigadeiro Antônio de Sampaio, canhões, dentre outros armamentos desativados pelo Exército.


Visitas devem ser agendadas as terças, quartas e quintas-feiras. Sendo as terças e quintas exclusivas para escolas. Para turistas somente as quartas-feiras.


Endereço: Praia de Piratininga, s/n - Prainha, Vila Velha - ES, 29100-901

Telefone: (27) 3061-7301 (visitação sob agendamento)

Site: www.38bi.eb.mil.br

E-mail:  comsoc@38bi.eb.mil.br


FAROL SANTA LUZIA


Suas peças vieram da Escócia em 1870 e foi montado em 1871 pelo Barão de Cotegipe. A torre mede 12 metros de altura e uma base octogonal de 9m². Sua luz possui alcance de até 32 milhas marítimas que corresponde a 51 Km. Até os dias de hoje orienta a entrada dos navios na baía de Vitória/Porto de Vitória, Tubarão e Vila Velha.


O Farol Santa Luzia está localizado em uma ponta da entrada da baía de Vitória. O Farol Santa Luzia está localizado no Sítio da Ponta de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha. Relatos históricos registram a possiblidade do navegador Américo Vespúcio ter passado pela costa brasileira por volta de 1499, e pode ter passado pela baía de Vitória. Os navegantes exploradores de novas terras batizavam os lugares com o nome do santo do dia. Acredita-se que a Ponta onde está o Farol tenha sido batizado com este nome por ter sido avistado no dia de Santa Luzia, protetora dos olhos. Na linguagem da navegação, os faróis são os olhos dos navegadores durante a noite.


O local abriga uma vila residencial militar com três casas, dentre elas a do faroleiro, encarregado da manutenção do Farol, a Sala da Memória, onde o turista pode ver toda a história do local exposta em desenhos em suas paredes, como também a lanterna antiga. Ao lado, uma loja de artesanato com peças variadas complementa ainda mais a visita.


O Farol Santa Luzia é um belo exemplar da cultura e da história de Vila Velha e do Espírito Santo e neste ano de 2021 completa 150 anos no dia 7 de setembro.


Endereço: Rua Santa Luzia, 2 - Praia da Costa, Vila Velha - ES, 29101-100

Dias e horários de visitação:  terça-feira a domingo, das 9 às 16h30 (entrada do último grupo de visitantes)

Telefones: (27) 3149-7353 e 3149-7335 (Subsecretaria de Turismo)

E-mail:  turismo@vilavelha.es.gov.br

Obs.: O Farol fecha às segundas-feiras para manutenção, podendo este dia ser alterado em períodos de feriados prolongados.


LARGO DO FREI PEDRO PALÁCIOS


Compreende a Gruta, a entrada antiga do Convento da Penha – Ladeira da Penitência, a estátua e o Oratório, com uma réplica do quadro de Nossa Senhora da Penha.


A Gruta fica situada em baixo de uma grande pedra com três metros de extensão, Frei Pedro Palácios fez a tua morada por mais de seis anos cumprindo sua missão e a tradição de viver na pobreza. Localizada aos pés da ladeira da penitência, um dos primeiros acessos ao Convento da Penha. 


Frei Pedro Palácios nasceu em Medina do Rio Seco na Espanha, em 1500, e chegou ao Brasil em 1558, quando iniciou sua atividade missionária. Ao chegar em Vila Velha, fixou moradia na gruta próxima à praia localizada na entrada da baía. Foi responsável pela construção de uma capela, onde passou a morar, dedicada a São Francisco de Assis, na encosta do morro acima da gruta, em 1562. Foi também a partir de sua iniciativa que se deu a construção da ermida da Penha, sendo concluída em 1570, a qual foi ampliada posteriormente e veio a se tornar o Convento da Penha.


Frei Pedro morreu em 02 de maio de 1570, dias após ter celebrado os festejos da Penha, e seu corpo foi sepultado na ermida. Em 1970, foi criada uma estátua em sua homenagem, colocada em frente à Câmara Municipal de vila Velha, atual Praça Frei Pedro.


Endereço: Alameda Frei Pedro Palácios, s/n, Prainha 

Telefone: (27) 3329-0420 

Site: https://conventodapenha.org.br/frei-pedro-palacios/


MUSEU HOMERO MASSENA 


Nesta casa viveu de 1951 até 1974, quando faleceu, o artista Homero Massena. O local onde morou e fez as melhores pinturas de sua vida é hoje o museu que leva seu nome. A casa foi tombada em 1984, conservando as obras e a história de vida do pintor, preservando os cômodos e o ambiente onde concebia suas obras.


O museu retrata o modo como viveu o artista em sua época. O interior do museu busca reconstituir o ambiente em que trabalhou e viveu Homero Massena: varanda, sala, atelier, dois quartos. No local podem ser encontradas obras do artista, como quadros e objetos pessoais.


Endereço: Rua Antônio Ferreira Queiroz, 281 - Prainha.

Horário: Segunda a sábado, das 9 às 18h

Telefone: (27) 3389-7059


CASA DA MEMÓRIA 


Tombada pelo Conselho Municipal de Cultura, a construção do século XIX abriga uma exposição permanente de fotografias e outras imagens que guardam a história da formação do município e do Estado, além de contar com um Posto de Informações Turísticas. Em 1989 os moradores da região se movimentaram para que ali fosse instalado um museu, resultando na contratação do projeto para reforma e ampliação do antigo casarão, que hoje abriga a Casa da Memória. Em sua área externa encontra-se o antigo bonde que circulava por Vila Velha.  Recentemente o local ganhou uma reforma em toda sua estrutura que a deixou ainda mais destacada e valorizada entre os monumentos do Sítio Histórico da Prainha.


Funcionamento: de terça a domingo, das 9 às 18h.

Não abre segunda-feira.


Endereço: Avenida Luciano das Neves, 17 - Prainha, Vila Velha - ES, 29100-201

Telefone: (27) 3388-4344

 

BIBLIOTECA MUNICIPAL


A Biblioteca Pública Municipal foi instituída em 1985, através da Lei 2253/85.


Aberta de segunda a sexta-feira, o espaço é voltado a estudantes e comunidade. Com um acervo de mais de 19 mil títulos, atende o público para pesquisas escolares e outros assuntos, além de realizar lançamentos de livros de autores capixabas, incentivar a leitura e divulgar a literatura capixaba. Possui obras entre literatura estrangeira, brasileira, capixaba e temas didáticos, como Matemática,  Biologia e História.  Possui um  telecentro com internet.


Endereço: Centro de Capacitação e Complementação (Titanic), na Praça Duque de Caxias - Centro de Vila Velha

Funcionamento: de segunda à sexta-feira, das 08h às 17h.  Tel: (27) 3388-4208.


TEATRO MUNICIPAL DE VILA VELHA

(Fechado para reforma)


Construído na segunda metade do século passado, o Teatro Municipal foi uma das últimas obras vultosas a integrar os monumentos cívicos que a praça constitui, já que a mesma era o local onde os órgãos públicos convergiam. Aliás, o prédio já foi sede da Prefeitura e da Câmara Municipal de Vila Velha, entre os anos 60 e 90.


Com a mudança das duas sedes, transformou-se no centro cultural da cidade, com o nome Teatro Municipal Élio de Almeida Vianna, localizado na Praça Duque de Caxias, bem no Centro da cidade.


Marcado como uma construção do estilo arquitetônico modernista brasileiro, o Teatro Municipal tem um grande espaço para a realizações de eventos culturais além das peças que são apresentadas. Assim, além de centro cultural, o prédio é um dos monumentos arquitetônicos da cidade que alia tradição com sua vocação moderna.


O Teatro Municipal de Vila Velha foi inaugurado em 1992 e atualmente possui plateia com capacidade para 300 pessoas. Anexa ao Teatro funciona a Galeria de Arte Eugênio Pacheco de Queiroz.


Endereço: Praça Duque de Caxias, Centro.

Horário: De acordo com a programação cultural da Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Cultura - SEMTEC

Telefone: (27) 3388-4213 e 3388-4217


SANTUÁRIO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO


O Santuário Divino Espírito Santo foi idealizado e construído por Frei Firmino Matuschek. Nascido em 1911, na Prússia, ele chegou ainda seminarista ao Brasil, no dia 3 de maio de 1935. O religioso passou a viver em Vila Velha a partir de 1956, quando assumiu a Paróquia de Nossa Senhora do Rosário. Mas a sede tornou-se pequena e era necessário construir uma nova igreja. Frei Firmino adquiriu a área, onde logo foram fincadas 139 estacas de concreto. De estilo arquitetônico basilical, a igreja, conhecida como Santuário de Vila Velha, foi inaugurada no dia 21 de abril de 1967.


Endereço:  Rua Cabo Aylson Simões, 762 - Centro.


Horário de Missas:

3ª feira a Sábado, as 06:30 horas

4ª feiras e 6ªs feiras, às 19:00 horas.

Sábado, ás 17:00 hs.

Domingo, ás 07:00 , 10:00 e 19:00 horas.

Primeira Quinta-feira do mês- ás s 15:00 horas

Telefone: (27) 3329 - 1266

Site: www.santuariovilavelha.org.br

E-mail: secretaria@santuariovilavelha.org.br


IGREJA NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES DA PONTA DA FRUTA

(acesso com obras e limpeza)


Construída em 1945, em alvenaria de pedras, localiza-se num topo de um morro de onde se avista toda a Praia da Ponta da Fruta e a Praia da Baleia.


Em seu calendário festivo, constam as festas religiosas de São Pedro, celebrada no dia 29 de junho e de Nossa Senhora dos Navegantes, no dia 02 de fevereiro que são comemoradas anualmente.


O nome do balneário foi dado pelo Padre José Anchieta que sempre passava pela região em suas viagens de Vitória a Aldeia de Reritiba, atual Anchieta. E a origem se deu, conforme a lenda, que por causa de uma tempestade o padre teria dito para os que o acompanhavam, “Vamos aportar ali debaixo daquela árvore Ponta de Fruta”. E foi assim que o local ficou conhecido e teve o seu nome registrado.


Endereço: Rua Nossa Senhora dos Navegantes, s/n, Ponta da Fruta

Telefone: (27) 3242-0349 (secretaria)

Visitação sob agendamento

Dias e horários: somente aos domingos, 08 às 10 horas e quintas-feiras, 19 horas


IGREJA NOSSA SENHORA DA GLÓRIA DA BARRA DO JUCÚ


A Barra do Jucú é um balneário bastante conhecido e acolhedor. O balneário é conhecido como point de esportes como o surf e o bodyboarding, como também ficou famoso pelas bandas de congo, com a famosa música “Madalena do Jucú.


O lugar possui raízes históricas e guarda tradições religiosas e folclóricas. No aspecto religioso destacamos a Igreja Nossa Senhora da Glória, construída no início do Século XX e que é considerada um dos principais pontos turísticos do bairro.


Localizada na praça Pedro Valadares, a Igreja Nossa Senhora da Glória foi construída entre 1900 e 1913, utilizando alvenaria de pedra e cobertura de telhas com forro de madeira, além de piso de ladrilho cerâmico.


Conta-se que a imagem de Nossa Senhora da Glória chegou à Comunidade de Barra do Jucú trazida por uma senhora conhecida por Joaninha. Orações eram feitas em sua residência diante de um oratório. Era uma pequena casa humilde, com assoalho de madeira e tábuas largas. Devido ao fato de as pessoas reunirem-se em sua casa, a mesma tornou-se a primeira capela dedicada à Nossa Senhora da Glória.


Em 1913 chega à essa comunidade o Padre Bermudes, que fez a primeira reforma na capela, trocando o piso e construindo o altar em alto relevo, pintado com pó de ouro. No decorrer dos anos, a Igreja Nossa Senhora da Glória passou a pertencer à Paróquia Santa Mãe de Deus e é hoje uma das comunidades da Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes.


É na Praça Pedro Valadares que os andarilhos dos Passos de Anchieta – caminhada que revive o trajeto feito pelo Padre José de Anchieta -, cuja caminhada oficial é realizada no feriado de Corpus Christi, se concentram e são recebidos pela comunidade ao som de bandas de congo. Frutas e água ornamentam um grande barco para serem distribuídos aos participantes. É nesse balneário que os andarilhos fazem seu primeiro pernoite de todo o percurso até completarem os 100 Km de caminhada até a cidade de Anchieta.


Endereço: Rua Prof. João Cardoso, 335 - Barra do Jucu, Vila Velha - ES, CEP: 29125-040

Facebook: Igreja Nossa Senhora da Glória da Barra do Jucú

Telefone: 27 99714-2346

Visitação sob agendamento


MUSEU VALE

(Visitas suspensas devido a avaliação de questões operacionais da Vale)


O Museu Vale, inaugurado em 15 de outubro de 1998, é uma iniciativa da Fundação Vale, instituição que realiza ações, projetos e programas sociais nas regiões onde a mineradora está presente, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento dos territórios e de fortalecer as pessoas e as comunidades, respeitando sempre as identidades culturais locais.


A Fundação Vale acredita que investir em equipamentos e programas de cultura é uma oportunidade de desenvolvimento territorial, pois fortalece as políticas públicas de cultura e promove a inclusão - em especial, de crianças e jovens.


Além disso, a participação em atividades culturais traz impactos positivos para sociedades e indivíduos em outras múltiplas dimensões: desenvolve capacidades e habilidades, estimula a criatividade, fortalece a autoestima, cria valores e abre novas possibilidades de trabalho e renda.


O Museu Vale faz parte desse compromisso da Fundação Vale com a ampliação do acesso da população aos bens culturais, a preservação das identidades culturais regionais e a valorização da memória e do patrimônio histórico brasileiro.

Com suas exposições, seminários e oficinas de arte, promove o contato com a diversidade das linguagens, técnicas e estéticas contemporâneas, incentivando muitos jovens a ingressarem no mercado de produção artístico-cultural.


Endereço: Antiga Estação Pedro Nolasco - Av. Anézio José Simões, s/n - Argolas, Vila Velha - ES, 29114-920


Dias, meses e horários de visitação:


Janeiro

Segundas - fechado para o público (manutenção)

Terças a domingos - 10h às 18h


Fevereiro a dezembro

Segundas - fechado para o público (manutenção)

Terças a sextas - 8h às 17h

Sábados e domingos - 10h às 18h Informações - (55) 27 3333 2484


Entrada gratuita


CAFÉ DO MUSEU


Segundas - 10h às 14h

Terças, quartas e domingos - 10h às 18h

Quintas, sextas e sábados - 10h às 24h, com música ao vivo à noite Informações - (55) 27 3326-8190

Telefone: (27) 3333-2484

Site: www.museuvale.com